fazer um site gratis no aqui

Número total de visualizações de página

sábado, 4 de outubro de 2014

LÍDER DOS PADRES DO PRADO EM PORTUGAL LEMBRADO COMO UM “HOMEM QUE SABIA ESCUTAR”

Homenagem ao Pe. Manuel António Pimentel reúne sacerdotes e amigos nas Furnas, 10 anos depois da sua morte

Capacidade para “escutar”, “paixão” por Jesus ou “homem de grandes interrogações e poucas certezas”, foram algumas das características apontadas ao Pe. Manuel António Pimentel, que esta quinta-feira foi homenageado nas Furnas, na ilha de São Miguel, por amigos, familiares e alguns colegas pela passagem do 10º aniversário da sua morte.

“Foi de entre os alunos do Seminário, no meu curso, o que mais se destacou pela profundidade, inteligência e conhecimento cientifico”, lembra o Pe. Frenando Teixeira, ordenado no mesmo dia em que foi ordenado o sacerdote natural das Furnas, 3 de junho de 1962.

“Lembro-me do dia em que saímos de São Miguel, ele três anos mais novo que eu, muito aprumado com uns óculos redondos de massa, que o faziam bem mais velho, a perguntar-me: o senhor também vai para o Seminário?…Foi o começo de uma grande e profunda amizade”, recorda o sacerdote, um dos oito padres que estiveram presentes nesta homenagem na Igreja De Sant´Ana, nas Furnas, onde o Pe. Manuel António Pimentel celebrou a missa nova.

“Um santo” disse o ouvidor eclesiástico da Povoação, Pe. Octávio Medeiros. “Eu não rezo pelo Manuel porque ele é que é o meu intermediário junto de Jesus e de Maria”, acrescentou o Pe. Fernando Teixeira.

A homenagem desta quinta-feira foi a terceira prestada ao sacerdote que há dez anos faleceu vítima de cancro, depois de Setúbal e Porto, duas dioceses onde serviu e deixou muitos amigos, respetivamente.

Na hora da “despedida”, já no Instituto Português de Oncologia, em Lisboa, ”e numa faceta pouco conhecida”, escreveu o poema “Ainda ao amanhecer” lido no final da homenagem pelo Pe. Cipriano Pacheco, Vigário Episcopal para São Miguel, “um amigo de sempre” que juntamente com o Pe. Cassiano, ouvidor de Vila Franca do Campo, foi testamenteiro do Pe. Manuel António Pimentel.

“A estola verde com que hoje simbolicamente celebrei na eucaristia foi um legado dele em testamento. Apesar de não ser a cor do dia pareceu-me muito adequado usá-la hoje” sublinhou o Pe. Cassiano, um dos sacerdotes diocesanos que mais privou com o homenageado, “não só porque ambos éramos das Furnas mas porque o irmão dele casou com uma tia minha e tínhamos uma relação de parentesco que fez com que nos cruzássemos em várias etapas e momentos da vida”.

Ambos estiveram juntos em movimentos e atividades pastorais, sempre com numa intervenção direta no terreno, em prol dos mais desfavorecidos.

A homenagem contou com a presença de inúmeros amigos fora do clero que lembraram o seu papel na igreja, como “homem de Deus”, com “poucas certezas”, mas “muito dialogante” e “profundamente espiritual”, com “uma enorme capacidade de diálogo” e “uma grande determinação em ver cristo em cada sofredor”.

Angelina Balacó, professora, lembrou uma das interrogações mais frequentes do Pe. Manuel António Pimentel:” perante o sofrimento e dor que não conseguimos explicar, o que é que Deus nos quer dizer com isto?”.

“As suas interrogações eram muito inspiradoras”, rematou a ex-colaboradora do sacerdote nos movimentos sociais da igreja, em São Miguel.

Também Manuela Medeiros, amiga de infância, lembrou o seu trabalho na ajuda ao próximo e a autoria dos 10 mandamentos dos voluntários que servem de guião à Liga dos Amigos do Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada.

A homenagem começou com uma Eucaristia presidida pelo Pe. Cipriano Pacheco que sublinhou este questionamento permanente do amigo: “Ele tinha uma paixão para conhecer Jesus e nunca tinha certezas porque achava que o conhecimento de Jesus era um processo que se fazia ao longo da vida. Foi o maior legado que nos deixou”.

Para o atual responsável pelos Padres do Prado em Portugal, sucessor do Pe. Manuel António Pimentel, este “desafio” deve inspirar a “igreja de hoje porque há muitos cristãos que tomam Jesus Cristo como uma coisa feita”.

Na homenagem estiveram apenas oito sacerdotes da ilha de São Miguel, os Padres Octávio Medeiros, João Ponte, Ricardo Pimentel e Silvino Amaral, da Ouvidoria da Povoação; Fernando Teixeira, da Ouvidoria de Ponta Delgada; Miguel Tavares, da Ouvidoria das Capelas e António Cassiano da Ouvidoria de Vila Fraca do Campo e o Vigário Episcopal de São Miguel, Pe. Cipriano Pacheco.

O Pe. Manuel António Pimentel nasceu na freguesia das Furnas, em 1939 e foi para o Seminário com 11 anos de idade. Depois da sua ordenação, a 3 de Junho de 1962, foi para Roma onde estudou Direito Canónico e Teologia Moral, tendo acompanhado de perto a realização do Concílio Vaticano II, entre 1962 e 1965.

Regressa depois à ilha Terceira para ser professor do Seminário Maior de Angra durante dois anos. Passado esse tempo, assume o lugar de Diretor Espiritual no então Seminário Menor de Ponta Delgada durante três anos, regressando de novo ao Seminário Maior de Angra do Heroísmo como professor até 1975, altura em que vai para França, onde frequenta o Curso de Formação dos Padres do Prado.

Durante esse período da sua vida, o episcopado português encarrega-o, juntamente com outros sacerdotes, de trabalhar junto dos emigrantes.

Nos anos oitenta, é designado assistente para o diálogo no Movimento dos Trabalhadores Cristãos, do qual é membro, desenvolvendo o seu trabalho durante seis anos em Bruxelas, sede deste movimento. Volta a Portugal, para a diocese de Setúbal e é pároco, entre outras comunidades, no Barreiro.

Em 2000, por iniciativa do atual Bispo de Angra, D. António de Sousa Braga, regressa ao arquipélago onde começa por ser Vigário Episcopal para a Formação e, por último, fica encarregue pela coordenação do Tribunal Eclesiástico na delegação de Ponta Delgada.

Morreu no dia 10 de setembro de 2004.

Por: Carmo Rodeia | Out 2, 2014 | Açores

Autor/Fonte: U.O.P. / igrejaacores

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores

As mais vistas dos últimos 7 dias

Arquivo do blogue



 
Powered by Blogspot