fazer um site gratis no aqui

Número total de visualizações de página

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

REVERENDO CLÁUDIO MEDEIROS FRANCO FILHO DA FREGUESIA DE POVOAÇÃO


Nasceu na Povoação em 10 de setembro de 1931.

Filho de Francisco Medeiros Franco e de Maria de Lourdes Franco, neto paterno de António José Joaquim e de Maria Augusta Franco e materno de Luciano Tomás Cabral e de Adelaide de Jesus.

Foi batizado na igreja Matriz da Povoação, no dia 274 de setembro de 1931, sendo padrinhos Luciano Tomás Cabral, seu avô materno e madrinha Nossa Senhora Mãe de Deus.

Recebeu o sacramento do Crisma na mesma igreja Matriz, aos 6 de agosto de 1940, tendo como padrinho Dâmaso Vasconcelos.

Após concluir a escola primária na sua terra natal, ingressou no Seminário de Angra no ano letivo 1945/1946. Depois de concluir o Curso de Teologia, fez o ano Pós-Seminário (1957/58), ano em que, como Diácono, foi Secretário do Prelado diocesano, exercendo serviços na Cúria diocesana.

Recebeu a Ordenação Sacerdotal na Capela do Seminário de Angra, das mãos de D. Manuel Afonso de Carvalho, aos 20 de abril de 1958, tendo celebrado a sua “Missa Nova” na mesma Capela, no dia 21 do mesmo mês e ano.

Atividade pastoral

A 29 de maio de 1958, foi nomeado Pároco de Santa Bárbara, Santa Maria, tendo recebido do Prelado a incumbência de fundar naquela ilha a Ação Católica. Tarefa que foi escrupulosamente cumprida.

Enquanto esteve ao serviço pastoral da paróquia, desenvolveu notável ação na pregação, sobretudo por ocasião dos Lausperenes na ilha, além da assistência que prestava aos grupos de Ação Católica.

De destacar, ainda, o seu empenho na reconstrução e douramento da capela-mor da igreja paroquial, o arranjo do adro da igreja e a reparação total do Passal paroquial, obra que só veio a ser “inaugurada” pelo seu sucessor, Padre António Teixeira Pereira, também povoacense.

No dia 23 de julho de 1965, foi nomeado Pároco de Água Retorta, Ouvidoria da Povoação, São Miguel. Aqui desenvolveu um apostolado muito profícuo, com relevo especial para o incremento das celebrações da festa da Padroeira e, sobretudo, das cerimónias litúrgicas da Semana Santa. O desenvolvimento da Ação Católica Rural e da Pastoral Vocacional foram as suas duas grandes paixões. O fruto de todo o seu trabalho apostólico é ainda bem visível na Paróquia, sendo disso testemunho as Irmãs Religiosas a quem acompanhou no desabrochar da Vocação e os muitos leigos que se formaram na escola do “ver, julgar e agir”. Além disso, a ele se fica a dever as grandes obras de restauro realizadas na igreja paroquial de Nossa Senhora da Penha de França e no Passal.

No dia 1 de novembro de 1970, foi nomeado Vigário Cooperador da Paróquia Matriz da Povoação, quando era Pároco da mesma Monsenhor João Maurício de Amaral Ferreira. Nesta Paróquia, a sua ação pastoral ficou marcada pelo seu grande amor à pastoral da juventude e à assistência espiritual aos casais.

No que diz respeito à formação religiosa dos jovens, além da ação que desenvolveu como Professor de Religião e Moral no Externato Maria Isabel do Carmo Medeiros(41), formou a GUJ (Grupo União Juvenil), através do qual tentava atingir a juventude da paróquia. A este grupo se fica a dever o desenvolvimento do teatro religioso e a criação do Grupo Coral Jovem da Paróquia de Nossa Senhora Mãe de Deus, grupo que foi animado com grande entusiasmo pelo Senhor Daniel Raposo Leite e seu filho, maestro, Fernando Cabral Leite.

Malgrado o grande descontentamento dos cristãos da paróquia de Nossa Senhora Mãe de Deus, Povoação, sobretudo dos jovens que com ele mais perto conviviam, foi nomeado Pároco da Atalhada e Cabouco, aos 13 de maio de 1979.

Nestas paróquias continuou a sua ação pastoral com o mesmo entusiasmo e espírito de fé, bem manifestos na preparação das festas religiosas das duas paróquias, com destaque para a Semana Santa e as festas das padroeiras. Preocupado com a evangelização das suas duas comunidades, meteu ombros à publicação de um Boletim paroquial, “Voz do Mestre”, com o qual pretendia atingir as populações das duas paróquias.

A nível das estruturas, fica-se a dever-lhe as obras de restauração das igrejas paroquiais do Cabouco e da Atalhada, bem como a construção do Centro Social e Paroquial da Atalhada e o Jardim Infantil e Creche no Cabouco. Apesar de todo o seu empenhamento na criação de um Lar de Terceira Idade no Cabouco, resta-lhe a mágoa de não ter visto o seu sonho ainda concretizado.

Pobre entre os mais pobres, amigo sem esperar recompensa, conserva inalterável o espírito de disponibilidade e de abnegação que o tem acompanhado ao longo da sua atividade pastoral. De destacar, ainda, o seu grande “amor ao confessionário”, serviço que desempenha com paixão e sem olhar a horas que passam. Tem dado provas de que é capaz de resistir aos ventos, mesmo aos que sopram com maior intensidade, sobre a sociedade e a igreja que serve, generosa e sacrificadamente.

Em Julho de 2005, D. António de Sousa Braga alivia-o da responsabilidade pastoral da paróquia da Atalhada, ficando apenas com a do Cabouco a seu cargo.

No dia 20 de abril de 2008, celebrou as suas Bodas de Ouro sacerdotais na igreja paroquial de Nossa Senhora da Misericórdia, Cabouco, Lagoa. Era a ocasião para agradecer a Deus e por isso exclama: “A minha alma canta jubilosa e alegra-se em Deus, meu Salvador, por me ter concedido a graça de viver estes 50 anos de vida e de amor”. Aliás, o convite feito aos amigos traduz os mesmos sentimentos quando escreve: “O Padre Cláudio Medeiros Franco, agradecido a Deus pelo dom da vida, da fé e da vocação vem convidá-lo para ajudar a celebrar esta ação de graças pelos seus 50 anos de vida sacerdotal”.

À concelebração por ele presidida, “estiveram presentes doze sacerdotes amigos, onde se destacam mais dois Povoacenses, o Dr. Pe. Weber Pereira e o Doutor Pe. Octávio de Medeiros, responsável pela pregação”. Da Povoação compareceu uma comitiva que ultrapassou as 7 dezenas, incluindo familiares, na sua maioria os antigos membros do Grupo União Juvenil (GUJ), que fizeram questão de marcar presença amiga e sinal de gratidão pelo trabalho desenvolvido pelo Padre Cláudio com a juventude povoacense. Em nome do Grupo falou Walter Duarte afirmando que “Sentimos um orgulho muito grande em estarmos presentes nesta comemoração, assim como aqueles que, por motivos vários, não puderam cá estar e, sentimos um orgulho ainda maior por termos tido o privilégio de termos o Padre Cláudio como amigo, consultor e formador, numa altura em que estávamos a ser formados e a educar a nossa personalidade e nos moldar como homens. […] Foi-nos dada a possibilidade de crescermos e Ele [Deus] tornar-se nosso companheiro na luta, na alegria e na tristeza. Foi esse Deus renovado e despido de vestes douradas que o Padre Cláudio nos deu a conhecer. Foi esse Deus humilde que tentamos imitar, É o Padre Cláudio que agradecemos”(42).

No dia 26 de setembro de 2008, o Padre Cláudio recebeu da Câmara Municipal da Lagoa a Medalha de Mérito Municipal, cerimónia que decorreu na sede da Junta de Freguesia do Cabouco. Trata-se de uma distinção honorífica do Município que se fica a dever aos relevantes serviços que este pároco concedeu à comunidade lagoense, muito em especial, o contributo prestado ao desenvolvimento cultural e social das paróquias da lagoa, nomeadamente Cabouco e Atalhada (43).

Segundo os jornais, a ação pastoral do Pe. Cláudio na Lagoa evidenciou-se “na criação de alguns movimentos cristãos religiosos […]. Uma ação pastoral que se manifestou, em especial, na preparação das festas religiosas da Paróquia do Cabouco, que em muito contribuem para o enriquecimento cultural e promoção do Concelho da Lagoa […] designadamente na construção da creche e jardim de infância “O Ninho”, na freguesia do Cabouco, na fundação da Casa do Povo do Cabouco, do seu salão paroquial, na criação do Centro Social e Cultural do Cabouco e no Centro Social e Paroquial da Atalhada.

Ao agradecer esta homenagem, o Padre Cláudio sublinhou que não fez mais do que o seu dever e porque, segundo suas palavras, nasceu pobre, viveu pobre e quer morrer pobre, anunciou publicamente, nesta cerimónia da entrega da Medalha de Mérito Municipal, que oferece a sua biblioteca pessoal à Junta de Freguesia do Cabouco.

Faleceu na Clínica do Bom Jesus, Ponta Delgada, no dia 27 de julho de 2009, tendo sido sepultado no cemitério de Santa Bárbara, Lomba do Carro, Povoação, no dia 28 do mesmo mês e ano, após concelebração presidida pelo então Vigário Episcopal de São Miguel, Padre Octávio de Medeiros. Assim termina “Uma vida de humildade, serviço e generosidade”. O sacerdote, o amigo, o exemplo, partiu para onde sempre quis estar, junto a Deus. O homem bom que sempre foi, o ombro amigo que sabia confortar, a lágrima solidária que chorava e a vontade sempre presente da sua missão na terra, fizeram o Padre Cláudio o modelo de um verdadeiro padre(44).
_______________________________
41 Quando regressei de Angola (Pe. Octávio Medeiros), em novembro de 1977, vinha sem dinheiro e sem qualquer documentação da Segurança Social. Então, o Padre Cláudio, ao ter conhecimento da minha situação, dividiu comigo o seu horário de aulas e de Religião e Moral que lecionava no Externato Maria Isabel do Carmo Medeiros. O ordenado vinha no seu nome, pois era ele o titular, mas, depois de o receber, entregava-me metade. Este gesto marcou-me profundamente e a sua referência neste momento é, para mim, uma forma de lhe manifestar, uma vez mais e por escrito, a minha profunda e sincera gratidão, hoje já tecida de saudade. Aliás, o forro com que foi entabulada a cozinha da casa de meus pais foi com dinheiro que ele me tinha dado (500$00), como “gratidão” pelo trabalho que prestei na paróquia de Água Retorta quando ainda era seminarista. Recordo o gesto como se tivesse acontecido ontem. Mal sabia eu que, passados tantos anos, viria a ser um dos seus sucessores naquela Paróquia de Nossa Senhora da Penha de França.
42 – O Portal da Ilha, 30 de abril de 2008, pp. 1,16.
43 – Cf. Açoriano Oriental, 11 de agosto de 2008, p. 8; Correio dos Açores, 23 de setembro de 2008, p. 2; Correio dos Açores, 1 de outubro de 2008, p. 11.
44 – O Portal da Ilha, 31 de agosto de 2009, p. 1 e 10. Sobre a notícia da sua morte, pode também conferir-se Seara Verde, 15 de Agosto de 2009, p. 15.

Fonte: Clero da Ouvidoria da Povoação de Octávio Henrique Ribeiro de Medeiros

Povoação, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores

As mais vistas dos últimos 7 dias

Arquivo do blogue



 
Powered by Blogspot