fazer um site gratis no aqui

Número total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de março de 2018

PEIXE DO MEU QUINTAL / O CU DE JUDAS


Publicado a 16/03/2018 por AICL lusofonias.net

Peixe do meu quintal
José Soares
O Cu de Judas

O Nordeste, em São Miguel, foi sempre o desterro dentro da Ilha. Visto de Ponta Delgada, era “a grande aventura” em que só alguns afoitos ousavam desafiar a sua estrada serpenteada, marcada por pontões estreitos, num trajeto de três horas em direto, ou mais se tínhamos de parar na Vila da Ribeira Grande.

Foi assim até ao atual século XXI, excetuando os carros que por serem cada vez mais velozes e confortáveis, o trajeto se podia fazer em duas horas, duas e meia.
E mesmo quando nos Governos de Mota Amaral, o pavimento foi melhorado cobrindo a calçada com um lençol de asfalto, a imensidão de curvas e obstáculos continuavam, mas o conforto melhorou pelo pavimento liso. Mota Amaral não tinha, na altura, os grandes subsídios europeus para fazer melhor. Fez o possível.
E não esqueçamos o grande desastre de 1 de janeiro de 1980, na Terceira, onde a minha linda cidade de Angra sofreu um dos maiores estupros de sempre. Mota Amaral enfrentou tudo sem subsídios, senão e tão só com a enorme solidariedade que de todo o lado choveu de forma espontânea, como o próprio terramoto que destruiu.
Depois, veio a grande obra de Carlos César. Desfez o mito de que Nordeste era a décima ilha e, sem nunca atirar a toalha ao chão, César avançou com o mais ambicioso projeto rodoviário de sempre nos Açores. As vias rápidas cesarianas deram às Ilhas uma imagem da modernidade que o resto do mundo (pelo menos ocidental) há muito vivia. “E César descansou ao sétimo dia”.
Hoje, Nordeste está ao virar da esquina.
Mas se Nordeste era desterro pela sua lonjura, a Povoação sofreu sempre pela sua invejável beleza. A Vila da Povoação é o grande presépio esquecido das faraónicas do ainda governo socialista dos Açores. Carlos César já não está, mas a sua obra deveria ser inspiradora para quem lhe segue as pisadas do bem público.
A Povoação é a noiva, bela e virtuosa, a quem se promete tudo, até casamento um dia, mas depois cai nos buracos negros da política regional por mais uns anos. Há quinze anos que se promete a famigerada estrada entre as  Furnas e a Povoação e tudo continua adiado.
César era um homem de ação, é verdade! Mas Vasco Cordeiro tem de ser um homem de palavra neste caso. A Povoação merece a maior dignidade e atenção da parte de quem nos governa. É sempre um passeio maravilhoso ir à Povoação. Mas quando não se trata de passeio, a deslocação diária e obrigatória é desgastante.
Além de tudo isto, veja-se a diferença de um Nordeste desde que se engrossou o cordão umbilical até ele: Tem progredido mais rapidamente. Não queremos o mesmo para mais esta décima Ilha em que se tornou a Povoação?
A Povoação pode custar o governo a este Partido Socialista/Açores nas próximas eleições.
São tantas já as promessas em falso, que será caso para lembrar Winston Churchill:
“Aqueles que esquecem os erros da História, estão condenados a repeti-los”
E eu diria: São já muitas as promessas e isto começa a ser muitos cus de Judas. Estamos a ficar cansados… de ir à Povoação!


Povoação, segunda-feira,19 de março de 2018.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Seguidores

As mais vistas dos últimos 7 dias

Arquivo do blogue



 
Powered by Blogspot