fazer um site gratis no aqui

Número total de visualizações de página

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

HERÓI RIBEIRAQUENTENSE QUE NUNCA SERÁ ESQUECIDO

João de Oliveira Pedro, natural da Ribeira Quente, faleceu na Freguesia de Sagrada Família, a 24 de outubro de 1971, regressando depois seus restos mortais à sua terra natal, Ribeira Quente, praticamente 7 meses depois, mais concretamente a 7 de maio de 1972, onde foi a sepultar.

Foi alistado em Angola,  aos 21 anos de idade, mais concretamente em 13 de abril de 1970, aquando do ingresso no serviço militar obrigatório, onde foi chamado para a Guerra do Ultramar, Guerra Colonial Portuguesa (1961-1974), onde foi recrutado na Freguesia da Sagrada Família.

Uma grande consternação de dor e uma onda de tristeza pairou junto da população local, quando se soube da triste notícia da morte daquele que foi o grande herói da Ribeira Quente, que tombou em guerras de além mar,

Era eu uma criança de 10 anos, aproximadamente, quando se ouviu falar na freguesia que em Angola, tinha morrido um soldado da comunidade, de nome João Pedro, é o que me lembro da altura e da professora ter falado na aula. Regressando a casa, depois da escola, contei o sucedido à minha mãe a triste ocorrência, mas ela já sabia do acontecimento.

Contudo, quer queiram, quer não, hoje dia 22 de setembro, por coincidência ou não, culmina com o centenário da inauguração da Igreja em Honra ao Apóstolo Paulo, da Ribeira Quente, inaugurada a 22 de setembro de 1917.

Além disso, também, hoje dia 22 do mesmo mês, afixou-se uma placa com a foto do mesmo, no cemitério da localidade. A colocação agora afixada junto á outra placa com o nome de João Oliveira Pedro, não passa de uma mera homenagem simbólica e da mais elementar justiça, sendo um orgulho, para nós Ribeiraquentenses, sermos também, os herdeiros da memória de todos os bravos combatentes que caíram na defesa da nossa Pátria, em especial o nosso “irmão” João de Oliveira Pedro.

Contudo e da minha parte, bem como da família em geral, especialmente suas irmãs Filomena e Madalena, asseguro-vos que a memória dos nossos heróis nunca será esquecida, e tudo faremos para que sejamos merecedores de pertencer ao mesmo Exército daqueles que, pelos feitos valorosos, se libertaram da lei da morte, pois os seus nomes farão sempre parte da história do nosso Portugal, essencialmente da nossa querida Ribeira Quente.

Bem haja a todos!

Fotos de Mário Santos.

Texto de João Costa Bril.

Povoação, sexta-feira, 22 de setembro de 2017.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores

As mais vistas dos últimos 7 dias

Arquivo do blogue



 
Powered by Blogspot