fazer um site gratis no aqui

quinta-feira, 14 de junho de 2018

A MARÉ ESTÁ DE REGRESSO À PRAIA FORMOSA!


A  Maré  está  de  regresso  à  Praia  Formosa! 

São  34  anos  de  vida,  música  e  cultura.  De  23  a  25  de  agosto  de  2018  realiza-se  na  baía  da  Praia  Formosa,  ilha  de  Santa  Maria    Açores,  a  34º  edição  consecutiva  do  Festival  Maré  de  Agosto,  o  festival  nacional  mais  antigo  em  continuidade. 

A  diversidade  musical  e  cultural  e  o  “carimbo”de  World  Music  Festival  mantêm-se  presentes,  mantendo  a  qualidade  dos  projetos  que  pretendemos  trazer  ano  após  ano,  dando  espaço  a  surpresas  do  panorama  global  musical  e  trazendo  também  a  música  nacionale  regional  acarinhada  pelo  nosso  público.  Trazer  aos  Açores  projetos  únicos  e  que  nem  sempre  encaixam  nas  opções  culturais  que  existem  no  arquipélago  continua  a  ser  o  nosso  mote.  Queremos  que  a  Maré  seja  a  ocasião  para  que  todos  marquem  estes  dias  de  agosto  para  estar  em  Santa  Maria.  Muitas  vezes  estes  projetos  são  estreias  totais  no  país    de  artistas  que  depressa  entram  no  circuito  maiores  palcos  do  mundo.    Mas  não    do  cartaz  vive  a  Maré.  Voltaremos  este  ano  com  atividades  diversas  a  realizar  nos  dias  do  festival,  passatempos  e  claro,  dar  a  garantia  que  a  20  metros  do  palco  está  uma  das  praias  mais  cobiçadas  dos  Açores.

Duas  marcas  da  nossa  singularidade  distinguidas  pelos  Iberian  Festival  Awards  foram  a  nossa  presença  na  shortlist  dos  melhores  festivais  ibéricos  nomeados  em  duas  categorias:  “Best  Camping  Site”e  “Best  Hosting  &  Reception”. 

Os  primeiros  6  nomes  anunciados  para  este  ano  chegam  com  a  Primavera  e  marcam-se  pelo  regresso  do  Hip  Hop  num  carácter  bastante  eletrizante  e  cheio  de  vida  pela  jovem  Yarah  Bravo,  a  experiência  e  vivência  musical  de  grandes  artistas  como  Orlando  Julius  e  os  The  Heliocentrics  que  deixam  marca  no  percurso  das  melhores  bandas  World  Music  pelo  globo  inteiro,  a  energia  de  Djeli  Moussa  Condé,  o  reggae  de  um  dos  nomes  mais  sonantes  deste  género  musical  que  encaixa  sempre  na  perfeição,  e  que  este  ano  traz  os  americanos  Groundation  a  apresentar  um  novo  álbum.  A  música  portuguesa  faz  regressar  o  Fado  por  Camané,  um  dos  fadistas  mais  conceituados  e  no  top  de  artistas  nacionais  em  2017  com  o  seu  proeto  “Canta  Alfredo  Marceneiro”. 

A  banda  que  fora  anunciada  na  edição  de  2017  e  que  é  das  mais  acarinhadas  do  povo  açoriano  regressa  à  Maré,  na  apresentação  das  novas  músicas  do  disco  comemorativo  dos  20  anos  e  com  a  novidade  de  parte  desse  disco  ser  gravado  no  concerto  do  festival.  Os  Ronda  da  Madrugada  são  de  Santa  Maria  e  são  festa  garantida!     

Em  breve,  mais  artistas  do  cartaz  deste  ano  serão  divulgados.

QUINTA/THURSDAY  23:

22h00Yarah  Bravo  (SE) 
23h45  Djeli  Moussa  Conde  (GQ) 
01h30Groundation  (USA) 
03h15LIVE  SET  TBA(to  be  anounced)

SEXTA/FRIDAY  24:

22h00Camané  (PT)  2
3h45Orlando  Julius&  The  Heliocentrics
01h30Ronda  da  Madrugada(PT) 
03h15  LIVE  SET  TBA  (to  be  anounced)

SÁBADO/SATURDAY  25: 

22h00TBA  (to  be  announced) 
23h45TBA  (to  be  announced) 
01h30TBA  (to  be  anounced) 
03h15  LIVE  SET  TBA  (to  be  anounced) 

*  LINE  UP  SUJEITO  A  ALTERAÇÕES


Yarah Bravo


A cantora da suiça, rapper e artista de suas palavras Yarah Bravo representa o som urbano além de qualquer fronteira. Yarah abraça a música de todo o mundo à sua sonoridade "soulful" cheia de alma e jazz - com um hip hop inteligente e por vezes político. Com vários projetos dos quais Yara fez parte de grandes nomes do Hip Hop internacional: Wu Tang Clan, Inimigo Público, Fat Freddy's Drop ou até Asian Dub Foundation.

Um espectáculo aliado às letras de Yarah Bravo são uma mensagem forte e distinta de amor cheia de Groove e energia. Não percas uma estreia absoluta em Portugal com um nome que vai dar que falar, na tua Maré.



Djeli Moussa Condé



Com letras fortes acompanhantes por uma voz autêntica, profunda e única, ou pela magia excecional ao tocar o “kora”, um instrumento peculiar que cativa o público em todos os concertos - Djeli lança o seu primeiro álbum a solo, depois de ter participado com (hits0) Manu Dibango, Alfa Blondy, Cesaria Evora, Nascido na Guinà © e vive em Paris desde os 17 anos, uma entrada deste artista no panorama musical internacional foi rápida. Uma peculiaridade musical deste compositor bebe da influência cultural que captura pelo mundo inteiro - dando um pouco de tudo à sua música: desde os sons mais tribais às sonoridades contemporâneas com toques elétricos e vibrantes. Um concerto que trará uma energia entre uma energia e uma das melhores músicas!


Groundation



A banda formada em 1998 é composta pelos nomes mais sonantes do panorama Reggae mundial. O regresso em 2018 aos palcos marca-se pela eletricidade o projeto liderado por Harrison Stafford, que uniu um grupo de músicos da escola de jazz a todos os pertenciam. The musical music of Groundation the big musical music and hearing that harrison ouvia in young - as skills in compor flash tracks is not guitarrista and vocalist principal of the band. Em 2018, o mesmo aconteceu em mais de 40 países, mas com um grupo de jovens músicos que compõem um total de 9 em palco. O reggae único com sopros recheados de jazz / funk e vozes cheias de harmonia.


Oka



Abra o futuro sem perder a vista do futuro do OKA - uma criação de uma conexão com o local de origem, Austrália - com uma fusão de House, Big Beat, Reggae-dub, raízes, jazz e world music.
A relação espitual com os antepassados ​​australianos misturada com a dança e como batidas eletrónicas.
Nascidos de uma performance de cerca de 15 anos atrás continuam a trazer a alegria, fluidez, e simplicidade de sua música para um público global com milhares de discos vendidos, curtindo palcos com nomes como Xavier Rudd ou Kinnie Starr - palcos esses pelo globo inteiro: Glastonburry, Serpente Arco-Íris ou até Sidney Opera House. 
A performance ao vivo dos Oka e a energia em festivais são mais altos da sua reputação. 
A conexão ao planeta com os filhos do didgerido de Stu Borga Fergie (DidgeriduSTU) é inspirada nos seus antepassados ​​acompanhada de fortes batidas tribais, guitarra, saxofone, flauta e percussão.
Uma força e som que tocam o coração e alimentam a alma.


Camané

O Fado está de regresso à Maré! Camané, um dos nomes incontornáveis ​​do Fado da atualidade.
 
Emoção. Tradição enriquecida com uma dose certa de risco. Versatilidade. Tudo faz parte da capacidade artística de Camané. E tudo isto é conjuga num trabalho de Homenagem a Alfredo Marceneiro - “ Camané canta Alfredo Marceneiro ”.
 
A Elevação da referência de fado de Camane, num registo intemporal, numa só.

Homenagem às suas maiores referências.
 
O Fado Cravo, o Fado Bailado, entre outros, é parte deste trabalho, trazendo uma sonoridade e a raiz da raiz, tanto na música como nas próprias letras da época. 

The historic market in the evening of this study will be found.



Orlando Julius e os heliocêntricos



Orlando Julius Ekemode, saxofonista, cantor e compositor, é um pioneiro do afrobeat e dos cruzamentos da música africana com uma música afroamericana. A volta dos palcos internacionais com uma banda londrina de acido jazz Os heliocentricos, especializados em trazer ao publico as grandes lendas da música africana. Com uma carreira iniciada nos anos 60, na Nigéria, e um pouco nos EUA, Orlando Julius criou um estilo de música onde se destacam o highlife, jazz, R & B, funk e rock psicadélico. Com The Heliocentrics gravou “Jaiyede Afro”, rearranjos de clássicos e novas músicas.



Ronda da Madrugada


A Ronda da Madrugada é uma banda de folk / rock com origem na ilha de Santa Maria - Açores.
Desde 1998, promove a fusão da cultura da música com os filhos do mundo.
Ao longo da carreira, não obstante as dificuldades do panorama musical, a banda manteve-se fiel à língua portuguesa e as variantes variantes dos Açores e à composição de sonoridades originais que culminaram em edição, de autor, de 3 álbuns (Rondas 1999, Longa Viagem 2003, Hoje 2011). Neste ano de 2018 a Ronda vai celebrar 20 anos de existência com uma programação intensa e cheia de novidades.
Em Fevereiro, entrou em estúdio para a gravação do novo trabalho de originais, nos estúdios do Valentim de Carvalho em Lisboa e, em Abril, na rodagem do novo videoclip na ilha de Santa Maria. Agosto se agrave pela fita de novas músicas ao vivo no Festival Maré de Agosto.
É com o sentimento de missão que a Ronda da Madrugada assume uma honrosa tarefa de levar a genuinidade da alma. Vamos fazer a festa dos 20 anos de idade aberta e a festa dos Ronda à Maré?





Dubioza Kolektiv



A História do Dubioza Kolektiv remonta ao ano de 2003 numa terra distanciada chamada Bósnia e Herzegovina e um grupo de amigos que decide criar uma banda. As leis que fazem a grandeza e a estagnação da música e a criação de um sistema de música e música através dos sons sabores musicais dos Balcãs, do reggae, do hip hop e da música eletrônica . Assim foi. Rapidamente é Dubioza é uma questão das melhores bandas ao vivo na Europa de Leste.
Como inegable apreshing entre os artistas da Europa de Leste, com várias colaborações musicais, com uma afirmação de melhores perspectivas e actualidade… tudo se torna um guia do sucesso dos primeiros álbuns. Não é o sucesso espalhado pelo resto da Europa. Em 2016 o álbum “Happy Machine” é uma afirmação do melhor dos Dubioza - contou com participações de Manu Chao, Benji Webbe ou Skindred. Foram incluídos os resultados da avaliação de 2016 e de 2005 contam com uma lista de prémios de vários níveis.
Na Maré pode contar com uma única faixa da música dos Balcãs que, segundo uma banda, é uma experiência única que é espalhada pelos festivais.
“Se você está aberto à experiência, isso pode mudar sua vida também”. 


Linda Martini



Os Linda Martini começaram em 2003 e são uma banda de Rock. Da sua parte de formação, André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes.
Desde a edição do primeiro EP, em Janeiro de 2006, que uma banda tem sido bastante frequentada, quer pelo público, quer pela imprensa musical e promotores. Prova disso mesmo, são as várias distinções de “disco do ano”, a presença e o espaço de antena nos principais veículos de comunicação e a presença em festivais e queimas das fitas.
Em 2006, o single “Amor Combate” foi considerado o single do ano de Henrique Amaro da Antena e o disco de estreia - “Olhos de Mongol” foi distinguido como
“disco do ano”. Blitz
Em 2008 uma banda editou um EP em vinil, exclusivamente, continuando um trajecto ascendente e promissor. 2009 foi ano de reedição do álbum de estreia - “Olhos de Mongol” - em conjunto com o primeiro EP - “Linda Martini”, ambos esgotados há muito. Foi também o ano em que a banda foi convidada a fazer um disco ao vivo, pela Optimus Discos.
Em 2010 foi editado o segundo longa duração - “Casa Ocupada”, o disco que elevou a banda para um outro dia de trabalho, contribuiu para a concreção de denso e pesado deste novo trabalho. Nunca esquecendo como suas raízes, com um pé no punk e outro no hardcore, em 2015 foi editado o seu quinto disco, na longa duração. Este disco, “Turbo Lento”, contou com uma colaboração com o Chico Buarque em Febril (Tanto Mar) - amostra autorizada. A banda apresenta toda a sua força, com concertos explosivos, uma máquina bem oleada que cruza a rítmica com a serenidade melódica. 2018 é ano de novo disco e marca um reencontro da banda com o rock "mais cru" dos primórdios deste quarteto de Lisboa.


Dança da Oliveira



Os OliveTreeDance são um trio instrumental composto por Renato Oliveira, didgeridoo, Pedro Vasconcelos, bateria, e Márcio Pinto, percussão. As proteínas do grupo nutrem-se nos continentes, presentes em vários ramos da Música Mundial e da corrente electrónica tribal. O resultado dessa influência de uma matriz musical é, simultaneamente, ancestral e contemporânea. A primeira banda do género em exposição em Portugal foi a contar com mais prémios em concursos de música e tournées a nível nacional e internacional, sendo mais importantes nos EUA, BRASIL, HOLANDA, ITÁLIA, ESPANHA, IRLANDA, ÍNDIA e PORTUGAL. Inspirados e inspiradores, são donos de uma energia inesgotável em palco. A medida que o didgeridoo convoca um tribo, um percussão marca o caminho da jornada: uma grande experiência de trance, catalisada por sons orgânicos e naturais. True, Alquimistas musicais, Transformar os ritmos dos instrumentos indígenas, num som que vibra, pulsa e obriga um dançarino. Com uma sonoridade primordial convocam como tribos do mundo, como entregando, musicalmente, uma mensagem de conexão e unidade na diversidade. Depois de dois CD singles (2007 e 2008) e de um EP (Urbano Roots, 2009), lançado em 2010, Didj Dance All Beauty, álbum de debute da banda, que, rapidamente, alcançou o 3º lugar no ranking da Associação Fonográfica Portuguesa. 2014 so on the work work, Symbology, hum disco that the consagra with a band tribal dance com princípio, meio e fim. Em 2016 abrem o Palco Principal do Boom Festival com o tema Xamanismo. pulsa e obriga a dançar. Com uma sonoridade primordial convocam como tribos do mundo, como entregando, musicalmente, uma mensagem de conexão e unidade na diversidade. Depois de dois CD singles (2007 e 2008) e de um EP (Urbano Roots, 2009), lançado em 2010, Didj Dance All Beauty, álbum de debute da banda, que, rapidamente, alcançou o 3º lugar no ranking da Associação Fonográfica Portuguesa. 2014 so on the work work, Symbology, hum disco that the consagra with a band tribal dance com princípio, meio e fim. Em 2016 abrem o Palco Principal do Boom Festival com o tema Xamanismo. pulsa e obriga a dançar. Com uma sonoridade primordial convocam como tribos do mundo, como entregando, musicalmente, uma mensagem de conexão e unidade na diversidade. Depois de dois CD singles (2007 e 2008) e de um EP (Urbano Roots, 2009), lançado em 2010, Didj Dance All Beauty, álbum de debute da banda, que, rapidamente, alcançou o 3º lugar no ranking da Associação Fonográfica Portuguesa. 2014 so on the work work, Symbology, hum disco that the consagra with a band tribal dance com princípio, meio e fim. Em 2016 abrem o Palco Principal do Boom Festival com o tema Xamanismo. álbum de debute da banda, que, rapidamente, alcançou o 3º lugar no ranking da Associação Fonográfica Portuguesa. 2014 so on the work work, Symbology, hum disco that the consagra with a band tribal dance com princípio, meio e fim. Em 2016 abrem o Palco Principal do Boom Festival com o tema Xamanismo. álbum de debute da banda, que, rapidamente, alcançou o 3º lugar no ranking da Associação Fonográfica Portuguesa. 2014 so on the work work, Symbology, hum disco that the consagra with a band tribal dance com princípio, meio e fim. Em 2016 abrem o Palco Principal do Boom Festival com o tema Xamanismo. 
10 anos depois, são um beijo à Maré num dos concertos mais vibrantes e únicos já realizados no festival.


Terrakota



Músicos emparelhados em grooves escaldantes, misturar tudo o que lhes apetece, esgravatando as profundas raizes da edição musical africana em vários continentes. 
O seu espectáculo é uma viagem musical inspiradora, com um grande impulso pelas origens e contexto das músicas de raiz que inspiram, e com uma mensagem social e ecológica. Com “Oxalá”, os Terrakota compuseram um álbum com uma grande maioria de temas em português, não é uma mensagem de forma mais espontânea e clara.
Curiosamente, encontramos uma sonoridade mais rock em alguns momentos, enquanto continuamos uma busca de constantes cruzamentos sonoros dentro do caldeirão multi-étnico continuo!
O ponto de partida é, como sempre, África, de onde se sai e onde são voltadas, trilhando roteiros de sentido inverso e bebendo uma realidade musical que surgiu e se espalhou pelo mundo fora.
O Terrakota é uma constante de uma alquimia musical geradora de um "roots moderno", de uma música sincera e atual, feita integralmente por seres humanos. Section rítmica pujante, diálogos constantes entre as linhas vocais, como guitarras, o kora, o sitar, o ballafon, as percussões e os outros instrumentos de diferentes culturas que consolidam uma linguagem mundial, num mundo interligado e tricotado, onde são suprimidas todas as fronteiras , distâncias e barreiras.
The mission of human society and mission state mission, mission, human, mission, mission, human, mission, mission, human, human society, mission, human, mission, human human human humanism

This is a part of the major, that is a sustentated capacity of the implementation of the world, that are a sustentated of creation, for that is solar handheld, pure and universal.





Povoação, quinta-feira, 14 de junho de 2018.

Sem comentários:

Enviar um comentário



 
Powered by Blogspot