fazer um site gratis no aqui

sábado, 13 de maio de 2017

HÁ 36 ANOS, A 13 DE MAIO, JOÃO PAULO II FOI "SALVO" POR NOSSA SENHORA


João Paulo II - Imagem de 13 de maio de 1981.
O Papa João Paulo II cai dentro do papamóvel
depois de ser baleado. © Reuters
O Papa Francisco está em Portugal pela primeira vez numa data que assinala um evento relacionado com outro Sumo Pontífice, João Paulo II. A 13 de maio de 1981, na mesma data em que se celebravam as Aparições de Fátima, Karol Wojtyla foi vítima de uma tentativa de assassinato que o iria ligar para sempre a Nossa Senhora.

Esta sexta-feira o Papa Francisco visitou pela primeira vez a Capelinha das Aparições, em Fátima, onde pôde admirar a estátua de Nossa Senhora, no ano em que celebra o centenário das aparições aos três pastorinhos.

Dentro da capela, o atual líder da Igreja Católica observou a estátua com mais de 90 anos e a coroa feita com o ouro oferecido por fiéis, que nesta data será colocada na cabeça da Virgem Maria. Dentro da coroa, ao centro, está uma das balas que atingiu João Paulo II, em 1981, na praça de São Pedro, no Vaticano.


João Paulo II - Tinha sido baleado por Mehmet Ali Agca,
um terrorista turco. Esteve preso durante 19 anos em
Itália até lhe ter sido concedida clemência e ter sido
transferido para a Turquia, onde serviu mais uma pena
por ter morto um jornalista, em 1978 © REUTERS
A ligação entre esta data, 13 de Maio, e João Paulo II é carregada de simbolismo por causa de uma tentativa de assassinato – a primeira – de que o Sumo Pontífice foi alvo. No ano de 1981, quando estava a entrar na Praça de São Pedro dentro do Papamóvel, o sacerdote polaco foi atingido por quatro tiros provenientes da multidão, duas balas atingiram-no num dedo e num braço e as outras duas alojaram-se na zona intestinal. Karol Wojtyla foi imediatamente levado para policlínica Gemelli, em Roma, em estado crítico mas acabou por sobreviver.


João Paulo II - Imagem tirada a 19 de maio de 1981.
João Paulo II recupera no hospital, seis dias depois
de ter sido baleado. © REUTERS
O Sumo Pontífice tinha sido baleado pelo turco Mehmet Ali Ağca, a quem concedeu perdão cinco dias depois.

João Paulo II era já um devoto do culto Mariano e o facto de ter escapado com vida do incidente não passou em branco. Um ano depois, a 13 de maio de 1982, o Papa João Paulo II visitou o Santuário de Fátima pela primeira vez, para agradecer a “mão protetora” de Nossa Senhora. De acordo com relatos, o Papa cumprimentou o presidente Ramalho Eanes no aeroporto dizendo: “Trago no meu coração a graça de Nossa Senhora, pois Deus salvou-me a vida durante a tentativa de assassinato”.


João Paulo II - Pormenor do dedo da mão esquerda,
por onde passou uma das quatro balas. © REUTERS
Foi nesta primeira visita apostólica a Portugal que João Paulo II foi vítima de uma segunda tentativa de assassinato. No Santuário de Fátima, no dia 12 de maio, o padre espanhol Juan Fernandez Krohn tentou atingir o Papa com uma baioneta mas foi detido a tempo pelo corpo de segurança do Papa João Paulo II. O sacerdote foi detido e condenado seis anos e seis meses de prisão. Atualmente está em Bruxelas.

A segunda visita do Papa João Paulo II aconteceu a 13 de maio de 1991, quando celebrou 10 anos do atentado. João Paulo II ofereceu, posteriormente, uma das balas que o atingiu ao então bispo de Leiria, D. Alberto Cosme do Amaral, tendo sido colocada na coroa de Nossa Senhora de Fátima.


João Paulo II - Imagem tirada a 13 de agosto de 1981.
O Papa falava com uma das vítimas da sua tentativa de
assassinato, Francesca Paci, que se encontrava no
 mesmo hospital.   © REUTERS
João Paulo II visitaria Fátima mais uma vez, no ano 2000, para fazer a beatificação dos pastorinhos.

Foi neste mesmo ano que foi revelado o terceiro segredo de Fátima, por intermédio do secretário do Papa. Escrito a 3 de janeiro de 1944 por irmã Lúcia (as duas primeiras partes haviam sido reveladas em 1941), deveria apenas ser revelado depois de 1960. Este segredo, de acordo com a interpretação da irmã Lúcia, faz referência às vítimas da fé do séc. XX e a um “bispo vestido de branco” que irmã Lúcia dizia ser o Papa.

Por: Anabela de Sousa Dantas



            João Paulo II - Mehmet Ali Agca, o atirador, em junho de 1985,
            durante uma sessão de julgamento. © REUTERS



               João Paulo II - Mehmet Ali Agca quando recebeu clemência,
               em 2000, a pedido do Papa. © REUTERS
Povoação, sábado, 13 de maio de 2017.

Sem comentários:

Enviar um comentário



 
Powered by Blogspot