fazer um site gratis no aqui

domingo, 19 de fevereiro de 2017

VIOLA DA TERRA EM DESTAQUE NO NOVO DISCO DA RONDA DOS QUATRO CAMINHOS

"A Ronda dos Quatro Caminhos edita um novo trabalho, o 14º da sua carreira, desta feita dedicado à música tradicional dos Açores, na continuação das últimas grandes produções editoriais - "Terra de Abrigo" e "Tierra Alantre".

O disco foi composto e pensado com base na Orquestra Regional Lira Açoriana, uma orquestra de instrumentos de sopro e percussão, composta por jovens músicos das Bandas Filarmónicas das várias Ilhas dos Açores. A Lira Açoriana participa em todos os temas, todos eles populares com orquestrações dos músicos da Ronda.

A Viola da Terra recebe especial destaque, intervindo em vários temas, através dos tocadores Rafael Carvalho e Ricardo Melo, da Ilha de São Miguel; Lázaro Silva da Ilha Terceira e José Agostinho Serpa da Ilha das Flores.

Além da Orquestra, participam no disco vários Coros Polifónicos e músicos populares e eruditos de todas as Ilhas do Arquipélago, num total de mais de 300 músicos e cantores: de São Miguel o Coral de São José; da Ilha Terceira o Coro Feminino; do Faial o Grupo Coral da Horta; do Pico o Grupo Coral das Lajes do Pico; da Graciosa, o Grupo Coral da Matriz da Graciosa; de Santa Maria, músicos da Ronda da Madrugada e do Grupo Sol Baixo; das Flores e Corvo, músicos populares de vários agrupamentos filarmónicos.

As gravações começaram em Rabo de Peixe, S. Miguel, em Outubro de 2015, com a gravação inicial da Orquestra Regional Lira Açoriana, dirigida pelo maestro Henrique Piloto e acabaram nos Estúdios da Planície, em Palmela, em Dezembro de 2016. Os Coros Polifónicos e os músicos populares foram gravados nas diferentes ilhas de origem.

Neste trabalho a música regional dos Açores é vista sob a perspectiva das Bandas Filarmónicas e da harmonia coral religiosa e pagã.

Várias são as formações musicais da tradição Açoriana, sendo que as Bandas Filarmónicas têm um papel de grande relevo e destaque na vida comunitária, quer pela formação musical que proporcionam à juventude, quer pela participação nas festividades religiosas e populares.

De igual modo aos Coros Polifónicos, geralmente ligados à celebração litúrgica, mas também com um repertório clássico e popular, foi-lhes dada neste trabalho, a par com a Orquestra, a relevância que na verdade têm e certamente merecem.

Depois a Viola da Terra, com as suas variações e diferentes maneiras de tocar, é certamente o instrumento mais representativo da tradição popular.

Problema maior foi em relação aos vários grupos e formações de danças e cantares populares, guardiães maiores do cancioneiro popular, dos cantadores dos vários estilos e canções populares, dos tocadores de instrumentos também relevantes na música tradicional, como o violino, o bandolim, o violão, etc., que pessoas e agrupamentos convidar, numa terra de brilhantes músicos e instrumentistas?

Já sobre o repertório, como escolher uma dúzia de cantigas numa terra onde se respira música popular e com um cancioneiro tradicional tão vasto e variado? A escolha foi assim, como certamente poderia ter sido outra dúzia diferente e mais outra e outra.

Quantos discos haveria que fazer?"

Povoação, domingo, 19 de fevereiro de 2017.

Sem comentários:

Enviar um comentário



 
Powered by Blogspot