fazer um site gratis no aqui

sexta-feira, 10 de junho de 2016

BLOGGER ITALIANA PASSOU UNS DIAS NOS AÇORES E REALIZOU ESTE FANTÁSTICO VÍDEO

O Travelover é o blog de viagens que acompanha Michela Garosi, repórter florentina, nas suas viagens ao redor do mundo.

Michela Garosi nasceu em Génova e cresceu em Florença, onde se formou em Direito.

Aqui abaixo do vídeo a tradução (Google) da descrição que a italiana Michela Garosi faz da sua viagem aos Açores, ilhas Terceira e São Miguel: 


Voo da TAP Portugal em 1827, 2 horas e 30 minutos de Lisboa para aterrar na ilha Terceira, a primeira etapa de minha viagem aos Açores. Conhecido por muitos apenas pelo fenómeno do anticiclone (como não ser capaz de atribuir-lhes um lugar no mapa), os Açores são um dos mais belos arquipélagos do nosso continente, se não do próprio planeta, 9 ilhas vulcânicas que parecem surgir quase que magicamente do oceano, envolto na lenda da Atlântida e tradições que estão lutando para se manter, situada entre o mar e as montanhas. Território português desde a sua descoberta (pontuado apenas por algumas "invasão" de Flandres, Inglês ou Espanhol), as ilhas dos Açores são remotas, mas ainda perto do continente e encarnar o sonho do viajante solitário, aventureiro, amante das fronteiras mais remotas.

É aqui que principalmente você ama a natureza e a tranquilidade, mas também para obter alguma experiência de observação de baleias, caminhadas, surf, natação com golfinhos e respirar autenticidade.

IMG_1050Le Açores cujo nome, segundo alguns é apenas a partir de "azures" (plural de azul), por causa da cor dominante, seria visitar tranquilamente permitindo-se algumas semanas para fazer algumas 'zapping entre as ilhas, passeios de barco e caminhadas no verde. 9 ilhas, 9 de identidade, 9 caracteres, como se fossem 9 irmãs que parecem iguais, mas não muito.

Eu me concentrei nas ilhas maiores e mais perto, conscientes de que perder a mais remota seria um pecado, mas também consciente do fato de que o tempo disponível seria pouco em minha vida e que um dia eu estaria de volta aqui novamente antes de sair ...

Minha jornada começa, a fim de Terceira, a terceira ilha a ser descoberta pelo Português.

IMG_0672Contenuta em tamanho, sonolento e quase reservada, Terceira é realmente uma ilha que vale a pena viver, mesmo de passagem, se apenas para admirar a bela Angra do Heroísmo, uma cidade declarada Património Mundial pela UNESCO e suas cavernas, tudo para descobrir. Angra atravessa entre o porto e a colina em um enrolamento cima e para baixo, dominada pelo Monte do Brasil, e é caracterizada por ruas de paralelepípedos e edifícios dos tons ou acabamentos pastel, em estilo colonial perfeito. pequena igreja bonita de São Gonçalo (datado de 1542), com os azulejos nas paredes que contam a fuga John do Egito. Como as cavernas, absolutamente visitar Algar do Carvão. Um cone vulcânico que leva a uma caverna formada também pela erupção de um vulcão e coberto com vegetação, até onde a luz vem.

I passar da ilha Terceira, em seguida, por ferry a turbulento maior ilha, a ilha de São Miguel (sob o termo "turbulenta" subjaz uma viagem cansativa feito de dores de estômago que, obviamente, habitam). Após quatro horas de navegação, toque finalmente aterrar em Ponta Delgada marina graças a Deus, como se eu fosse náufragos.

Michela Garosi nasceu em Génova e cresceu em Florença, onde ele se formou em Direito. Após a formatura, ele estava no docu-reality Donnavventura, transmitido pela Rete 4, o programa em que ele derramou toda a sua paixão por viagens e que tem visto o protagonista das últimas três edições.

Suas paixões primárias para viagens, escrita, fotografia e línguas (fala fluentemente Inglês, francês e um pouco de "alemão), mais um para a natureza, animais e esportes ao ar livre.

Mais recentemente, ele também se juntou Vincenzo Venuto na condução do programa Alive, sempre à Rete 4, contando histórias incríveis de sobreviventes de todo o mundo.

Para blogger viagens agora virou, ela ainda colabora com Donnavventura para que os cuidados também viajar coluna semanal dedicada à viagem Tgcom24 (web).
____________________________________________________

Texto Original em Italiano

Volo Tap Portugal 1827, 2 ore e 30 minuti da Lisbona e sbarco e Terceira, prima tappa di questo mio viaggio alle Azzorre. Conosciute da molti solo per il fenomeno dell’omonimo anticiclone che qui si genera (tanto da non saper assegnar loro un posto sulla cartina), le Azzorre sono uno degli arcipelaghi più belli del nostro continente, se non del nostro pianeta stesso,

9 isole di origine vulcanica che sembrano comparire dall’Oceano quasi per magia, avvolte nella leggenda di Atlantide e da tradizioni che faticano a cedere, in bilico fra mare e montagna. Territorio portoghese fin dalla loro scoperta (intervallata solo da qualche “invasione” fiamminga, inglese o spagnola), le Azzorre sono isole lontane ma allo stesso tempo vicine al continente e incarnano il sogno del viaggiatore solitario, avventuriero, amante dei confini più remoti.

Si viene fin qua principalmente perchè si ama la natura e la tranquillità ma anche per fare esperienze di whale watching, trekking, surf, nuotare con i delfini e respirare autenticità.

IMG_1050Le Azzorre il cui nome secondo alcuni viene proprio da “azures” (plurale di azzurro), a causa del colore dominante, sarebbero da visitare con calma concedendosi qualche settimana per fare un po’ di zapping fra le isole, gite in barca e passeggiate in mezzo al verde. 9 isole, 9 identità, 9 caratteri, quasi fossero 9 sorelle che si assomigliano ma non troppo.

Mi sono soffermata sulle isole più grandi e più vicine, consapevole che perdere le più remote sarebbe stato un peccato, ma conscia anche del fatto che il tempo a disposizione sarebbe stato poco e che nella mia vita un giorno qui sarei tornata, ancora prima di partire…

Il mio viaggio inizia così da Terceira, la terza isola ad essere scoperta dai portoghesi.

IMG_0672Contenuta nelle dimensioni, sonnolenta e quasi riservata, Terceira è in realtà un’isola che vale la pena di essere vissuta, sebbene di passaggio, non foss’altro che per ammirare la bella Angra do Heroismo, cittadina dichiarata patrimonio dell’umanità dall’UNESCO, e le sue grotte, tutte da scoprire. Angra si snoda tutta fra il porto e la collina in un tortuoso sali e scendi, dominata dal Monte do Brasil, ed è caratterizzata da strade lastricate e edifici dai toni o dalle finiture pastello, in perfetto stile coloniale. Splendida la piccola chiesetta di Sao Gonçalo (risalente al 1542), con gli azulejos alle pareti che raccontano la fuga di Giovanni dall’Egitto. Quanto alle grotte, assolutamente di visitare Algar do Carvao. Un cono vulcanico che conduce ad una grotta formatasi anch’essa per l’eruzione di un vulcano e ricoperta di vegetazione, fino laddove arriva la luce.

Dall’isola di Terceira mi sposto dunque con un turbolento traghetto fino all’isola più grande, l’isola di Sao Miguel (sotto il termine “turbolento” soggiace una faticosa traversata fatta di pene gastriche che evidentemente sorvolerò). Dopo quattro ore di navigazione, tocco finalmente terra nella marina di Ponta Delgada ringraziando il cielo, quasi fossi naufraga.

Michela Garosi è nata a Genova ed è cresciuta a Firenze dove si è laureata in Giurisprudenza. Terminati gli studi ha partecipato al docu-reality Donnavventura, trasmesso su Rete4, programma sul quale ha riversato tutta la sua passione per i viaggi e che l’ha vista protagonista delle ultime tre edizioni.

Alle sue passioni primarie per i viaggi, la scrittura, la fotografia e le lingue (parla infatti fluentemente inglese, francese e un po’ di tedesco), si aggiungono quella per la natura, gli animali e gli sport all’aria aperta.

Più recentemente ha affiancato anche Vincenzo Venuto nella conduzione del programma Alive, sempre su Rete4, raccontando storie incredibili di sopravvissuti da tutto il mondo.

Ad oggi oltre ad essere travel blogger, collabora ancora con Donnavventura per la quale cura anche la rubrica settimanale di viaggi dedicata a Tgcom24 Viaggi (web).

The Travelover by Michela Garosi

Publicado a 27/09/2015

1 comentário:

  1. Belíssimo e encantador trabalho sobre este paraíso do atlantico

    ResponderEliminar



 
Powered by Blogspot