fazer um site gratis no aqui

quarta-feira, 23 de março de 2016

AÇORES LANÇAM OBRA PARA CONTINUAR COMBATE À EUTROFIZAÇÃO DA LAGOA DAS FURNAS

O Governo dos Açores vai investir 1,5 milhões de euros em mais uma obra para combater a eutrofização da lagoa das Furnas, no concelho da Povoação, na ilha de São Miguel, obra que deverá iniciar antes do verão.

A abertura de propostas de empresas concorrentes ocorreu na terça-feira e a empreitada, que tem um prazo de execução de 450 dias, visa a construção do canal de desvio de afluentes da ribeira do Salto da Inglesa e de consolidação do leito e margens do canal do Salto do Fojo.

O investimento é justificado com o facto de o estado atual da lagoa ainda não ter atingido os “parâmetros qualitativos ambicionados, devido ao volume de carga orgânica que ainda aflui à massa de água, nomeadamente nutrientes como o fósforo e o azoto”.

A empreitada, no âmbito do Plano de Ordenamento da Bacia Hidrográfica da Lagoa das Furnas, contribuirá para “a diminuição da afluência de nutrientes para a massa de água, através da redução das escorrências, bem como da sua dinâmica de assoreamento”, adianta o executivo regional.

Segundo a Secretaria Regional do Ambiente dos Açores, no passado, “várias áreas das encostas da envolvente da lagoa das Furnas foram transformadas em pastagens, que foram sendo continuadamente adubadas com estrumes e fertilizantes que, por escorrência, chegaram à lagoa”, um dos ‘ex-líbris’ dos Açores em cujas margens se faz o famoso cozido das Furnas.

“A consequente acumulação de nutrientes como azoto e fósforo na lagoa conduziu à proliferação de vida vegetal que revestiu as águas de um manto verde, impedindo a sua oxigenação, um fenómeno designado eutrofização”, adianta a mesma informação.

No âmbito do Plano de Ordenamento da Bacia Hidrográfica da Lagoa das Furnas, o Governo dos Açores, entre outras medidas, adquiriu 300 hectares de terrenos agrícolas, tendo removido o gado e várias toneladas de resíduos.

“Depois de se ter feito sentir na massa de água o efeito da retirada das pastagens […], os últimos dois ou três anos, ou seja, 2012, 2013, evidenciavam um decréscimo não tão significativo quanto seria desejável na evolução do estado” da água da lagoa, explicou o diretor regional do Ambiente, Hernâni Jorge.

Esta situação “indiciava a necessidade de se fazer um outro tipo de intervenção de natureza preventiva ou curativa”, referiu.

O diretor regional do Ambiente afirmou que a empreitada a concurso pretende “atuar sobre a origem do problema”, pois “a bacia hidrográfica da ribeira do Salto da Inglesa e as bacias hidrográficas de toda aquela zona eram responsáveis […] por mais de 60% dos nutrientes que afluem à massa de água”.

“Era fundamental fazer mais qualquer coisa para apressar o processo de evolução e recuperação da massa de água”, defendeu, embora admitindo que “a prazo, com a reflorestação e até com o desaparecimento e a diminuição dos teores de nutrientes nos solos circundantes à lagoa, essa evolução haveria de acontecer”.

O responsável disse acreditar que com mais esta intervenção “num prazo que não será imediato”, mas dentro de uma década, “os efeitos desta intervenção far-se-ão sentir”.

Fonte: 

Sem comentários:

Enviar um comentário



 
Powered by Blogspot