fazer um site gratis no aqui

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

FAMÍLIA DO MENINO AFOGADO DA IMAGEM ESTARIA A TENTAR CHEGAR AO CANADÁ

Foto que acompanha a notícia do jornal canadiano
 National Post identificando Aylan e Galip DR
Partindo da identificação feita pelos media turcos, jornalista canadiano diz que família viu recusado um pedido de asilo em Junho.
A imagem correu mundo e debateu-se sobre a sua publicação. Pouco depois começaram a surgir informações sobre quem era aquela criança morta numa praia da Turquia e o que aconteceu para a sua família entrar num barco insuflável em direcção à Grécia.

Segundo os media turcos, o menino da imagem tinha três anos e chamava-se Aylan Kurdi. O seu irmão Galip, de cinco anos, e a mãe Rehan, morreram também no naufrágio de uma pequena embarcação que levava 12 refugiados a bordo. O pai, Abdullah, sobreviveu. Eram curdos e viviam em Kobane, dominada pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI) após longas lutas. Sabe-se que tentavam chegar à ilha grega de Kos.

Pouco depois, partindo desta identificação, um jornalista do jornal canadiano National Post acrescentava mais um ponto a esta história: a família tentou chegar à Grécia de barco depois de o seu pedido de asilo ter sido rejeitado no Canadá.

A irmã de Abdullah, o pai Aylan e Galip, vive em Vancouver há mais de 20 anos. Teema Kurdi, que é cabeleireira, contou ao National Post que recebeu o telefonema de madrugada: a mulher de um irmão de Adbullah ligou-lhe  com as más notícias. Abdullah tinha telefonado a dizer que a mulher e os filhos tinham morrido, acrescentando que queria regressar a Kobani para os enterrar e morrer com eles.

Teema disse ainda que Abdullah, Rehan e os dois filhos tentaram candidatar-se a asilo no Canadá através de um procedimento chamado G5, em que cinco cidadãos canadianos podem apoiar uma candidatura desde que dêem aos refugiados apoio emocional e financeiro. Ela conseguiu que amigos e vizinhos se juntassem para isto.

Mas para que este pedido seja aceite, os candidatos têm de ser formalmente considerados refugiados pela ONU ou por um outro estado. O problema da família Kurdi é que na Turquia, para onde tinham fugido, não conseguiram documentos para sair nem registo como refugiados – o que não é raro acontecer com curdos na Turquia.

Em Junho, o pedido da família foi recusado pelas autoridades do Canadá, devido às complexidades do processo na Turquia. Foi depois disso que consideraram outras alternativas para sair da Turquia. Ficar lá não era uma opção. “Os sírios são muito mal tratados”, explicou a irmã Teema, que ainda não tinha desistido de voltar a tentar outra candidatura de asilo para a o irmão e a sua família.

Desde meados de 2013, o Canadá recebeu 1060 refugiados sírios no país, e em Janeiro, anunciou que iria aceitar 10 mil nos próximos três anos.

“Esta é uma notícia horrível”, comentou um deputado do círculo local, Fin Donnelly, que estava a par do processo. “A frustração de esperar e os efeitos da inacção foram terríveis.”

Por: MARIA JOÃO GUIMARÃES 03/09/2015

Sem comentários:

Enviar um comentário



 
Powered by Blogspot