fazer um site gratis no aqui

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

JOSÉ PACHECO DIZ QUE O MODELO EDUCACIONAL ESTÁ ULTRAPASSADO

“A Educação hoje está ainda muito agarrada a um modelo tradicional e pouco ligada à construção do desenvolvimento local e sustentável”. É assim que o professor José Pacheco, Fundador da Escola da Ponte e atual pilar do Projeto Âncora, no Brasil, classifica o sistema da Edução dos nossos dias.

José Pacheco falava, hoje, no Auditório Municipal da Povoação de um novo Sistema de Edução onde não precisa existir nem salas de aula, nem horários, nem testes e onde o professor é o “educador” e os alunos são os “educandos” e onde aprender “fazendo” é a chave para o sucesso escolar.

O professor aposentado afirmou que esse novo modelo de aprendizagem pode ser iniciado, por exemplo, pela Povoação. “Eu estou a acompanhar no Brasil mais de 150 municípios, onde as coisas estão a acontecer de uma forma acelerada e eu acredito que essa educação aqui na Povoação poderá vir a dar frutos desde que se junte a família, a escola e a sociedade porque todos têm o mesmo interesse: fazer com que os jovens sejam sábios e felizes”, acrescentou.

José Pacheco está disposto a vir à Povoação mais uma vez para, junto com os professores, alunos e comunidade escolar, arregaçar as mangas e trabalhar neste novo modelo de Educação. “ Nestes projetos de educação que estamos a implementar no Brasil os currículos são todos aprendidos e de forma mais rápida porque os métodos de ensino são diferentes. Nós precisamos de perceber que as escolas não são os edifícios, mas sim as pessoas e que nós aprendemos uns com os outros e que nas aulas de aula que temos hoje pouco ou nada se aprende”, explicou o professor.

O professor que tem viajado pelo mundo inteiro para colaborar em projetos similares, referiu Também que existe uma falta de autonomia por parte das escolas para poderem implementar o que quer que seja. “As escolas são autónomas? Os professores são autónomos? Então ninguém dá o que não tem. Se eu não tenho autonomia porque é que eu coloco num projeto que quero fazer do aluno um cidadão autónomo? O professor não ensina aquilo que diz. O professor transmite aquilo que é. E é isso que eu quero que aconteça aqui na Povoação porque é isso que pode vir a acontecer”.

José Francisco de Almeida Pacheco é um educador, pedagogo e pedagogista português, um grande dinamizador da gestão democrática na Educação. Especialista em Leitura e Escrita, é mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Coordenou desde 1976, a Escola da Ponte, da qual é idealizador, instituição que se notabilizou pelo projeto educativo baseado na autonomia dos estudantes, até à data da sua aposentadoria.

Está desde Abril de 2011 a colaborar diretamente no Projeto Âncora, uma ONG em Cotia, São Paulo do Brasil, que segue o mesmo ou idêntico modelo de ensino e que dá a mão a crianças e jovens marginalizados que foram colocados fora do sistema educacional dito normal. Em apenas poucos anos este novo modelo de aprendizagem provou ser extremamente eficaz e as crianças que eram muitas delas casos perdidos, relacionados com tráfico, prostituição e roubo, conseguiram transforma-se em casos de sucesso e já foram considerados os melhores alunos do Brasil.

A escola Âncora fica situada no meio de três favelas muito problemáticas e por via da sua existência o tráfico, o roubo e o insucesso escolar diminuíram drasticamente.

Atualmente, a Escola Âncora conta com 74 voluntários, “os pais estão lá, e a escola está aberta 7 dias por semana, 24 horas por dia e 365 dias por ano. A escola faz parte da comunidade. A escola é fator de desenvolvimento local e até os adultos analfabetos podem aprendem a ler nesta escola” explicou o professor aposentado.

Por via do seu sucesso, a Escola Âncora acolhe, presentemente, crianças e jovens dos 2 aos 18 anos. Tem ensino secundário e “para o ano iremos ter universidade e depois teremos uma educação que será adquirida ao longo da vida. Este projeto para ser sustentável foi preparado para ficar pronto ao fim de sete anos e vai ficar pronto ao fim de seis. Daqui por dois anos este projeto vai abranger desde o pré-natal até à idade sénior. É um projeto de Cidade Educadora ou seja uma Rede de Comunidades de Aprendizagem. É uma nova construção social da aprendizagem que vai substituir o modelo educacional atualmente existente”, acrescentou ainda o Professor José Pacheco, que foi convidado para trabalhar com o governo de Brasília na criação de diretrizes de política pública para a Educação do Brasil.

Fonte/Fotos: Gabinete de Comunicação e Imagem da Câmara Municipal da Povoação

Sem comentários:

Enviar um comentário



 
Powered by Blogspot